Pular para o conteúdo principal

Necrópolis (ou Zumbis na Avenida)

O que fazer nessa pátria necrótica? 
Ir ao papel com voracidade e medo 
como se fosse 64?
Esperar pelo pior numa vala coletiva 
com a alma infectada por zumbis?
Vários deles foram vistos em zombaria 
como portadores da peste, na Paulista, 
dançando com um caixão.
O azul estrelado fica cinza-emaranhado 
com a quarentena sentenciada e voluntária, 
além das barras, canos, testas de ferro 
Que cobriram de sangue o que foi o amarelo  
do ouro... 
mas cuja riqueza só ilustrou a bandeira com mentiras:
Foi a cor de um passado monarquista, 
e dum moleque anarco-capitalista
que sempre se curvou à realeza
dos que falam a língua inglesa...
O zumbis batem continência para as forças estrangeiras, 
pros generais, pros coronéis 
e pro cadáver-capitão
e dançam na avenida uma procissão fúnebre vestindo 
a camisa da seleção.
O azul se torna preto, o amarelo pinga sangue e o verde fica marrom.

- Pedro R. Nogueira

Comentários

Postar um comentário