Pular para o conteúdo principal

Saímos para Jantar

Saimos pra jantar Eu, Satanás e Belzebu.
Belzebu, esfomeado, comeu filé de mosquito flambado
Satanás, mais elegante, comeu cadáver flamejante.
Eu, indeciso, pedi a Cthulhu uma sugestão.
 Mas de Rl'yeh num rompante inesperado
ouvi um grito de frustração:
 "O que acha que eu sou, Tio Lu?
cozinheiro do diabo? 

O menu era um papiro da tumba de Azatoth
cuja linguagem cabalística era revelada 
com o bater de asas de um corvo (ou uma gralha)
que insistentemente explicava: 
o couvert artístico, pra que os clientes tenham paz
Estes poetas do obscuro cobrarão... 
Nunca mais!
E no muro de pedra estava escrito
Que com o alinhamento dos planetas, 
ou toda terça-feira
“Abandonarás toda esperança vós que entrais”

Comentários

  1. não sou chegado a poesia, mas essa ficou ótima!

    ResponderExcluir
  2. Nem convidaram Shiva! rs Mto bom, me divertir com a poesia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Shiva tava dançando o Tandava do lado de fora do restaurante.

      Excluir

Postar um comentário